domingo, 20 de Julho de 2014

Bolo de Banana

Tinha uma enorme vontade de o beijar!
Sonhava como seria mergulhar na sua boca, dançar-lhe na língua, sentir o seu sabor.
Imaginava um beijo quente, macio, doce, muito doce. Só de pensar nisso sentia-se derreter!
Não seria só um beijo, deliciava-se antevendo muitos, todos diferentes, mudariam conforme o desejo... poderiam balançar suavemente como uma valsa, ou gingar ao compasso de uma bachata, podiam até mesmo ser rápidos e intensos como uma salsa... tantos ritmos, tantas músicas, tantos seriam os beijos! Seriam sim, tinha a certeza disso.




Gosto de bananas, especialmente das nossas deliciosas bananas da Madeira. Não aprecio muito a banana cozinha, porém tenho visto pela net e na TV tantas receitas de bolos de banana que decidi experimentar  e aproveitar umas bananas pintadinhas que começavam a sofrer na fruteira. Ainda bem que o fiz! 




Quis dar-lhe um aspeto ainda mais apetitoso e lembrei-me de combinar a banana com o chocolate branco, foi um beijo muito feliz.
Usei o fondue de chocolate branco que me foi oferecido pela Casa Grande Chocolaterie. É um produto de excelência e tão pratico de usar, pois vai ao micro-ondas na própria embalagem e, se sobrar, pode-se guardar e voltar a  utilizar noutra ocasião, isto se conseguir resistir a molhar o dedo e rapar todo o copo!


Se ainda não conhecem os produtos da Casa Grande, passem pelo facebook do Tentações Sobre a Mesa e participem no passatempo que decorre a partir de hoje e até ao dia 22 de Julho, habilitem-se a ganhar 2 dos seus deliciosos chocolates.



Bolo de Banana

 Ingredientes:

Bolo


1/2 chávena de creme de soja;
1 chávena de açúcar amarelo;
1/2 chávena de açúcar;
2 chávenas de farinha;
1 colher de sobremesa de fermento em pó;
1 colher de chá (rasa) de canela;
3 ovos,
1 chávena de bananas da madeira esmagadas (bem maduras).

Cobertura

1 embalagem de chocolate branco fondue, Casa Grande Chocolaterie (200g).
1 banana.


Execução:

Bolo


Bater o creme de soja com o açúcar.

Adicionar um ovo de cada vez, continuando a bater.
Juntar a banana esmagada e incorporar bem.
Misturar a farinha com o fermento e a canela e envolver no preparado anterior.
Colocar numa forma untada e levar ao forno, pré-aquecido a 180º C (testar com um palito).

Cobertura

Derreter o chocolate no micro-ondas. Cortar rodelas de banana e mergulhar no chocolate.

Dispor sobre o bolo.
Finalizar vertendo, em fio fino, o restante chocolate sobre o bolo.


Ficou um bolo muito gostoso, com um nítido sabor a banana. 
Não sei se repararam que não usei manteiga neste bolo mas sim creme de soja,  este era só para nós os dois, é preciso cuidar um pouco da saúde, e pecar na cobertura, eheheh!
O que mais gostei foi de trincar as rodelas de banana envoltas no chocolate branco, crocantes por fora e macias por dentro.



Fiquei convencida, realmente compreendo porque são tantos os amantes de bolo de banana ou, como lhe chamam os ingleses, "banana bread".

quinta-feira, 17 de Julho de 2014

Queques de Mirtilo - Blueberry cupcakes

Parecem pequenos berlindes cor da noite sem luar.
Pintam os dedos, pintam a língua, deixam um sorriso nos lábios a bailar.



Recentemente descobri a empresa Bioprodutores, sediada em Urgeira, Valença. Trata-se de uma marca registada de agricultura biológica, que presentemente se dedica exclusivamente à produção de mirtilos. Possuem 1 hectare de plantação com cerca de 1600 pés de mirtilos.
Fiquei radiante quando os contactei e soube que fazem venda ao público.


Tiveram a gentileza de me oferecer alguns mirtilos para experimentar e convidaram-me a visitar a exploração, o que farei muito em breve. Posso dizer-vos que foram os melhores que comi até à data, lindos, grandes e bem docinhos, em nada comparáveis aos que se vendem nas minúsculas (e caríssimas) caixinhas nos supermercados!


Preparei 3 receitas diferente, hoje trago-vos  uns queques com mirtilos na massa e na cobertura.
Levei-os para uma reunião na minha escola e posso dizer-vos que foram bastante elogiados.
Ficaram muito fofinhos, mantiveram-se assim mesmo no dia seguinte.


Ingredientes (30 unidades):

1 chávena de açúcar;
1 chávena de açúcar amarelo;
raspa de 1 limão e de 1 lima;
1 chávena de manteiga amolecida;
4 ovos M;
1 chávena de leite;
1/4 de chávena de sumo de limão;
3 chávenas de farinha;
2 colheres de chá de fermento em pó;
1 colher de chá de aroma de baunilha;
1 + 1/2 chávenas de mirtilos frescos.

Cobertura

250 g de açúcar em pó;
100 g de queijo creme;
50 g de manteiga amolecida;
raspa de lima e limão;
doce de mirtilo (ou algumas gotas de corante alimentar roxo);
mirtilos q.b.
folhas de menta.


Execução:

Queques

Misturar o sumo de limão com o leite  e reservar, vai talhar é mesmo assim.
Num almofariz esmagar a raspa dos citrinos com um pouco de açúcar.
Juntar ao restante açúcar e bater bem com a manteiga.
Adicionar um ovo de cada vez, continuando sempre a bater.
Misturar a farinha com o fermento e juntar aos poucos à massa, alternando com o leite talhado.
Bater apenas o suficiente para que todos os ingredientes fiquem bem incorporados.
Colocar forminhas de papel dentro dos tabuleiros para queques e com uma colher distribuir a massa, sem encher totalmente.
Distribuir alguns mirtilos por cada queque.
Levar ao forno, pré-aquecido a 180º C, durante 15 minutos.

Cobertura

Misturar o queijo creme, com a manteiga amolecida e o açúcar em pó.
Juntar um pouco de doce de mirtilo ou umas gotas de corante alimentar, até obter a cor desejada (usei corante).
Depois de frios dispor o creme da cobertura e decorar com mirtilos e folhas de menta.


Vou repetir esta massa de queques muitas vezes, porque é mesmo boa e permite fazer inumeras variações.
Provavelmente irei experimentar substituir a manteiga por uma gordura mais saudável, sabendo de antemão que o sabor perderá um pouco.


Não se vão arrepender de testar esta receita, é uma daquelas que todos devem ter no seu "caderno", dentro deste tipo de bolinhos, até à data, é a minha favorita.

quarta-feira, 9 de Julho de 2014

Bolo de Cerejas com Vinho do Porto

Sempre que estou perto de ti fico com a cabeça à roda! Gira, gira, como um carrossel do qual não tenho vontade de me apear. Tens esse efeito sobre mim, não sinto borboletas na barriga, mas  as pernas tremem-me e mal posso dar um passo, sem ter a sensação de que a qualquer momento, ao mínimo percalço, vou cair. Não sinto medo da queda, não sinto medo de nada! Cresce uma enorme euforia, sinto-me rodopiar e sou tão leve que posso levar a vida a dançar, então no mundo parece haver só alegria.


Alegria, fazer um bolinho que me sai tal como o sonhei, dá-me uma enorme alegria!
E se lhe juntar um cálice de Vinho do Porto?
Ai a alegria duplica! Só pode ser um, porque de outra forma o mundo rodopia muito mais depressa!


A Quinta dos Jugais desafiou os blogues parceiros a criarem receitas com Vinho do Porto, para um novo projeto que em breve irá apresentar. Gosto e uso muitas vezes vinhos e licores nas minhas sobremesas e este bolo já andava a rodopiar na minha cabeça há algum tempo.


Cerejas e Vinho do Porto combinam na perfeição!
Fiz um simples bolo de iogurte que aromatizei com este vinho perfumado. Depois cobri-o com duas generosas camadas de perdição, o chantilly e estas cerejas doces e emborrachadas dele... do Vinho do Porto!



Bolo de Cerejas com Vinho do Porto

Ingredientes:


Bolo 


1 iogurte grego;

2 copos do iogurte de açúcar;
3 copos de farinha;
1/2 copo de óleo;
1/4 de copo de Vinho do Porto;
3 ovos;
raspa de 1/2 limão;
1 colher de chá de fermento em pó.

Cobertura

600 g de cerejas;

1/3 de chávena de Vinho do Porto;
1/3 de chávena de açúcar amarelo;
1 colher de sopa de amido de milho;
1/4 de chávena de chá de água.

Chantilly


200 ml de natas;

2 colheres de sopa de açúcar;
2 colheres de chá de sumo de limão.





Execução:


Bolo
Colocar todos os ingredientes numa tigela e bater com a batedeira até que estejam bem misturados.
Levar ao forno, pré-aquecido a 180º C, durante cerca 30 minutos. Fazer o teste do palito.

Cobertura


Descaroçar as cerejas.
Leva-las ao lume com o açúcar e o Vinho do Porto.
Desfazer o amido de milho na água e juntar às cerejas.
Deixar cozinhar em lume brando, mexendo com cuidado, até que as cerejas estejam macias mas ainda inteiras.
Deixar arrefecer completamente (pode-se colocar um pouco no frigorífico).

Chantilly

Bater as natas (bem frescas) com o açúcar e o sumo de limão até que forme picos.
Execução:

Bolo
Colocar todos os ingredientes numa tigela e bater com a batedeira até que estejam bem misturados.
Levar ao forno, pré-aquecido a 180º C, durante cerca 30 minutos. Fazer o teste do palito.

Cobertura

Descaroçar as cerejas.
Leva-las ao lume com o açúcar e o Vinho do Porto.
Desfazer o amido de milho na água e juntar às cerejas.
Deixar cozinhar em lume brando, mexendo com cuidado, até que as cerejas estejam macias mas ainda inteiras.
Deixar arrefecer completamente (pode-se colocar um pouco no frigorífico).

Chantilly

Bater as natas (bem frescas) com o açúcar e o sumo de limão até que formem picos.


Serve-se bem fresco e claro acompanhado de um generoso cálice do nosso excelente e único Vinho do Porto.

terça-feira, 1 de Julho de 2014

Caril de Frango com Legumes

Uma vez por outra não faz mal!
Se fosse todos os dias, nem pensar!
Uma vez por outra pode ser.
O resto do tempo tem que ser assim...
Tem que ser simples, saudável e muito saboroso!


Ultimamente as receitas por cá têm recaído em muito mais em doces!
Bem se calhar não é só ultimamente, se calhar foi sempre assim!
Às vezes penso transformar o blogue exclusivamente para esse formato "sobremesas". Depois resolvo que não pode ser, terá que ter sobremesas e pão... sem duvida que são os meus preferidos. Uma "pastelaria/padaria". Só que aqui por casa, na maioria dos dias, somos apenas dois, então um bolo só para dois dura... dura... dura... e nunca mais chega o dia de fazer outro!
Tenho ainda que considerar o factor "saúde"... ah! pois! Não é que os melhores doces são mesmo os piores?! Um gelado de iogurte é tão bom, mas um de nata... e se for com leite condensado? Um bolo com creme vegetal sai bem, mas se tiver imensa manteiga...  é muito melhor não adiante dizer que não!


No meu dia à dia a comida é muito simples, abunda o peixe cozido e grelhado, acompanhado com legumes, também eles cozidos, grelhados e/ou saladas. Convenhamos que não  resulta daqui um grande receituário!
Só que uma vez por outra acontece algo diferente e que até a mim me surpreende! Foi o caso deste caril, nasceu por vontade dos ingredientes que tinha disponíveis na horta. Então volto a pensar "ainda bem que o blogue comporta um pouco de tudo".
Convem esclarecer que a horta não é minha, mas tenho a enorme sorte de lá ir sempre que quero!  É verdade! O meu cunhado adora agricultura, trabalha imenso e tem mãos mágicas, porque tudo o que semeia cresce maravilhosa e abundantemente, então sobra para mim (sorriso enorme)!
Muitas vezes semeia algo diferente porque lhe vou sugerindo, uma variedade de couves nova, uma alface diferente, um tipo de abóbora... ainda não o convenci com as beterrabas, eheheh!
Eu gosto imenso de ir à horta colher e cozinhar de seguida, nada se lhe compara!
Aconteceu assim com este prato, ficou tão, tão bom, que com o que sobrou pude fazer umas fotos e trazer-vos um bocadinho, um pedacinho da horta numa tigela!


Caril de Frango com Legumes

Ingredientes:

3 peitos de frango;
1 cebola grande;
3 dentes de alho;
1/2 couve tipo repolho;
1 courguete;
1 molho (pequeno) de espinafres baby;
1 lata de leite de coco;
2 colheres de chá de caril;
1 colher de chá de gengibre em pó;
1 colher de chá de açafrão;
1 colher de chá de colorau picante;
1 colher de chá de coentros em pó;
azeite q.b.
pimenta preta (moída na hora);
sal marinho q.b.

Produtos de parceiros usados nesta receita: especiarias Suldouro; sal marinho Marnoto.


Execução:

Saltear a cebola e os alhos no azeite até ficarem macios.
Juntar o peito de frango cortado em tirinhas.
Cortar a couve em tiras e juntar ao refogado.
Adicionar o leite de coco e os temperos. Cozinhar em lume médio alguns minutos, até que a couve reduza de volume.
Acrescentar a courguete cortada em cubos. Deixar cozinhar mais alguns minutos.
Caso seja necessário acrescentar um pouco de caldo de legumes.
Por fim juntar os espinafres, apenas o tempo suficiente para murcharem.
Servir de imediato.



Um dia vou ter uma horta, pequenina mas cheia de coisas boas e bonitas, terá legumes e flores e muitas aromáticas, abundarão as joaninhas e as borboleta, que se misturarão com as cores fortes das bagas! Ah! Nessa altura também terei uma mini capoeira. Não me importa quando vai ser, vai ser um dia! Se eu já for bem velhinha, vou gostar de estar na minha horta, sentir o cheirinho dos tomates, provar a rama das cenouras (só para ver se é boa) e claro pagar à jornaleira que vai cuidar dela!

terça-feira, 24 de Junho de 2014

Bolo de Verão

Repetem-se as estações tal como se repetem os dias e as horas.
As flores do pessegueiro voltaram a desabrochar, os coloridos frutos do verão rebentam agora na boca, a natureza acorda e todos os seres se apaixonam. 
O ciclo não pára, o fim para uns é o inicio de outros. 
Olho com tanta ternura a novo ser que nos brindou a primavera e que o verão ajudará a crescer. 
A repetição é reconfortante, porque a vida é incerta, tudo pode mudar num segundo, por isso ainda bem que voltou o verão e mesmo que chova,  que traveje... isso é muito, muito bom! 


Há um bolo que é obrigatório repetir cá em casa!
Na verdade nunca é repetido na totalidade, porque a cobertura é sempre diferente.
Já nem me lembro de todas as vezes que partido de um simples bolo de fécula de batata, deixei muitos sorrisos nos lábios do pessoal cá de casa, família e  amigos.
Tão leve e fofo, de uma enorme simplicidade e combina bem com quase tudo. 
Desta vez foi a fruta que lhe deu personalidade e a Nádia (filhota) dizia "mãe não faças mais este bolo, não consigo parar de o comer"!


Ingredientes:

Bolo de Fécula

6 ovos;
250 g de açúcar;
100 g de fécula de batata;
sumo de 1 limão;
1 colher de chá de fermento em pó.

Recheio

300 g de iogurte grego (usei sem açúcar);
1/2 abacaxi.

Cobertura

200 ml de natas
1 colher de sopa de açúcar;
1 colher de sobremesa de sumo de limão;
frutas variadas q.b. (morangos, abacaxi e cerejas).



Execução:

Forrar o fundo da forma com papel vegetal.
Bater as gemas com o açúcar até obter uma gemada leve e volumosa.
Misturar o fermento com a fécula de batata, juntar à gemada, batendo um pouco mais.
Adicionar o sumo de limão e incorporar bem na massa.
Bater as claras em castelo e juntar aos poucos à massa, envolvendo-as com uma espátula.
Levar ao forno, pré-aquecido a 180º C , durante 25 minutos.
Deixar arrefecer e desenformar.

Recheio e Cobertura

Cortar o bolo em duas partes idênticas.
Bater as natas com o açúcar e o sumo de limão.
Rechear,  uma parte do bolo, com o iogurte e abacaxi cortado em pequenos pedaços.
Sobrepor a outra metade do bolo e barrar totalmente com o chantilly.
Laminar os morangos e dispor nas laterais.
Na parte superior marcar riscas no chantilly e cobrir com as cerejas descaroçadas, morangos laminados e abacaxi cortado em pedaços, da forma que mostra a imagem.
Finalizar com cerejas inteiras e morangos contados ao meio e com o pé.




Fiz o  mesmo bolo em versão XL para uma festa com muita, muita gente!
Dobrei a receita do bolo e cozi-o por 2 vezes num tabuleiro. O tempo de cozedura é menor, bastam 15 minutos. Depois recheei, generosamente, com muito iogurte grego (quase 1 kg) e abacaxi.
A cobertura é igual, claro que com muito mais quantidade de fruta, peço-vos desculpa mas não a pesei.



Lá fora chove e troveja, mas de manhã a praia esteve excelente, nem queria acreditar na temperatura da água (habitualmente acabada de descongelar)!
Não pensem que já estou de férias, fui à praia em trabalho... levei os meus pequeninos. As aulas do pré-escolar só terminam no dia 4 julho e férias  só depois de 23 de julho, mas enquanto não chegam sonho com elas e desejo que se repitam os quentes e longos dias passados fora de casa... tanta coisa boa para repetir!
























Ainda nos vos contei uma novidade... temos um gatinho bebé cá em casa completa hoje 1 mês!  Tem sido uma luta para que sobreviva, tenho-o alimentado a biberon desde os primeiros dias de vida, ele a a mamã passaram por um mau bocado! Ela foi operada por 2 vezes, tinha um bebé hipercefálico morto, depois rebentaram os pontos internos... e ele esteve muito doentinho, ainda tem um olho muito afetado e pode vir a ficar cego do mesmo, mas apesar de tudo já está melhor e acredito que nos acompanhará ao longo de muitas estações.

sábado, 21 de Junho de 2014

Bolo de Linguiça com Tomilho

Espero por ti sempre com ansiedade, já sinto as borboletas às voltas na barriga!
Só de pensar nos momentos que passaremos juntos aflora em meu rosto um largo sorriso e imagino os passeios à beira mar, as tardes lânguidas deitados na erva à beira do regato, os momentos de preguiça na esplanada, as noites de musica quente...
Gosto tanto, tanto de ti meu amado verão.


Estou feliz que ele chegou, o verão, há muitas coisas porque gosto de esperar e ela é uma delas...
A Teleculinária foi a minha grande mestre de cozinha, estas revistas semanais ensinaram-me muito ao longo dos anos em que as colecionei. Recebi, como oferta ao blogue,  um ano de assinatura desta revista e estou sempre ansiosa que ela chegue no correio. Numa das suas ultimas edições, n.º1834, vi um bolo de alheira que me deixou cheia de vontade de o experimentar. Decidi  trocar a alheira pela linguiça de peru, também ela um gentil oferta da Quinta dos Fumeiros, e  juntar o tomilho fresco das Aromáticas Vivas.


A linguiça de peru da "Quinta dos Fumeiros" surpreendeu-me, é muito saborosa e com a enorme vantagem de conter um baixo teor de sal e de gordura, assim podemos desfrutar de um delicioso sabor sem culpas.


Bolo de Linguiça com Tomilho

Ingredientes:

5 ovos;
100 g de manteiga;
5 colheres de sopa de azeite;
200 ml de leite;
320 g de farinha;
2 colheres de chá de fermento em pó;
sal e pimenta q.b.
tomilho fresco;
linguiça de peru.


Execução:

Bater os ovos até ficarem bem cremosos.
Acrescentar a manteiga derretida e o azeite, mexendo bem.
Juntar o leite e aos poucos a farinha e o fermento, sem parar de bater.
Temperar com sal e pimenta e adicionar as folhas de tomilho.
Cortar a linguiça em rodelas e juntar à massa, reservando algumas.
Verter numa forma untada, dispôr rodelas de linguiça e folhas de tomilho sobre a massa.
Levar ao forno, previamente aquecido a 180º C, durante cerca 35 minutos.
Fazer o teste do palito para verificar se está bem cozido.
Deixar arrefecer um pouco, desenformar e colocar sobre uma grade até estar frio.


Ficou bem ao meu gosto! 
Tenho a certeza que a versão com alheira que vem na teleculinária também é muito boa, basta desfazer uma alheira e misturar bem na massa.


Ideal para levar para a praia, num passeio, ou no cesto do piquenique...
Que bom que já chegou o verão!

terça-feira, 10 de Junho de 2014

Polenta de Alheira e Coentros

Comemoramos hoje o "Dia de Portugal", numa época em que cada vez mais as portas e janelas estão abertas e os horizontes se estendem sem limites nem fronteiras.
Embora os tempos não sejam os mais generosos, a verdade é que vivemos num país muito belo, com paisagens maravilhosas, searas ensolaradas, montanhas verdejantes e um mar azul que nos permite estender o olhar até tocar no céu. 
Somos viajantes, sempre o fomos... os nossos antepassados ajudaram a descobrir o mundo e nele nos espalhamos. Emigramos no passado, voltamos a emigrar no presente e juntamos o que temos de melhor com aquilo que encontramos de bom nas culturas com que nos misturamos.


Hoje proponho que apenas pensemos nas coisas boas que temos e são tantas, a nossa gastronomia é riquíssima e das melhores do mundo, os vinhos, queijos e os enchidos... são mesmo de perder a cabeça! 
Sendo nós um pais de descobridores, temos nas nossas raízes pedacinhos do mundo inteiro. Pensando nisso fiz esta polenta, que mistura uma sabor italiano, das gentes humildes dos campos com a nossa alheira, também ela nascida nas cozinhas dos lavradores.




Ingredientes:

1 chávena de semola de milho instantânea;
3 chávenas de água;
2 alheiras;
1 ramo de coentros frescos;
sal marinho;
queijo parmesão ralado q.b.



Execução:


Reitar a pele das alheiras e desfazer numa frigideira. Levar ao lume até dourar.
Cozinhar a semola de milho com a água, uma pitada de sal e metade dos coentros picados, mexendo continuamente até espessar.
Misturar a semola com a alheira, juntar queijo parmesão ralado e mais alguns coentros. Levar ao lume em temperatura branda até que se forme um bolo bem ligado. Virar sobre um prato e servir.
Polvilhar com mais um pouco de queijo parmesão e coentros picados.



Esta polenta serve como entrada ou até mesmo como refeição. 



Temos muitos e bons motivos para continuar a sentir orgulho em sermos portugueses, na verdade gosto muito do meu pais e das suas gentes afáveis, generosas e simpáticas com sorriso caloroso e alma de fadista.