domingo, 13 de Abril de 2014

Tarte de Morangos ao Natural

São lindos, vermelhos, carnudos, sumarentos,
Doce prazer, luxuriosa tentação!
Vamos esquecer o que se passa lá fora,
E comer morangos frescos meu coração?


A Páscoa está mesmo a chegar, mas apetecia-me tanto fazer um docinho!
Queria que não fosse muito pecaminoso e lembrei-me de espreitar o meu bloco de notas. Lá onde estão todas as receitas que quero experimentar (para além das que estão marcadas nos livros e nas revistas, ou as que aponto dos programas do 24Kitchen)!
Foi então que a encontrei, a tarte de morangos ao natural, fresca e bem apetitosa.


Ingredientes:

Base

1 + 1/2 chávena de farinha;
1/2 chávena de amêndoas com pele;
1/2 chávena de açúcar mascavado (pode substituir por açúcar amarelo);
100 g de manteiga fria;
1 ovo G.

Recheio*

1 chávena de água;
1/2 chávena de açúcar;
1/4 de chávena de amido de milho;
1/4 de chávena de gelatina de morango (em pó);
1 colher de sopa de sumo de limão
650 g de morangos /dependendo da profundidade da tarteira).

*Adaptação do  recheio do blogue Mummy's Kitchen, (reduzi a quantidade de açúcar a metade)
.



Execução:

Base

Triturar as amêndoas e misturar com a farinha.
Cortar a manteiga em pequenos pedaços e esfarelar com os dedos na farinha de forma a obter uma massa areada. Bater ligeiramente o ovo e misturar, mas sem amassar, apenas para ligar a massa (se for necessário pode-se juntar um golo de leite).
Formar uma bola e colocar no frigorífico durante 30 minutos.
Estender a  entre duas folhas de papel vegetal. Descolar a folha da parte superior.
Colocar a folha de papel que se retirou sobre a bancada e virar a massa sobre a mesma, descolar a outra folha. 
Colocar a massa com o papel vegetal dentro da forma, 
como se vê na imagem (isto vai facilitar imenso  no momento de desenformar).
Encher com algum feijão sobre papel vegetal o fundo da tarteira para evitar que com a cozedura a massa deforme.
Levar ao forno durante 20 minutos até dourar.
deixar arrefecer totalmente e desenformar para o prato que se vai utilizar.


Recheio

Desfazer o amido de milho na água fria.
Misturar o açúcar e o sumo de limão, levar ao lume.
Juntar a gelatina em pó.
Mexer até espessar e cozer o amido.
Deixar arrefecer à temperatura ambiente, mexendo uma vez por outra para evitar que ganhe película.
Dispor os morangos dentro da base e regar com a calda.
Levar ao frigorífico 1 ou 2 horas.



Quem quiser pode usar uma base para tarte de compra, mas garanto-vos que não é a mesma coisa. Esta massa da base é mesmo muito boa  e até pode ser usada para fazer umas bolachinhas!



Pode-se usar esta técnica para fazer tartes de fruta fresca, variando o tipo de fruta e sabor de gelatina, fica bom com pêssego, manga, ananás ... pode até ser tutti frutti!



Serve-se simples ou com um pouco de chantilly, se quiserem pecar!

sexta-feira, 11 de Abril de 2014

Há quem pense que é fácil trocar uma por outra e ficar melhor servido!
Há quem julgue que o "sabor" da vida está na novidade.
Pois enganam-se, digo-vos eu!
A novidade depressa deixa de o ser e depois?
Depois... pode ser demasiado tarde para voltar atrás!
Especialmente quando se troca uma "ela" por um "ele"!


Gosto de bolachas,  mas esqueço-me de as fazer!
Ainda bem! É que quando faço não paro de as comer, talvez por isso mesmo, queria umas bolachinhas que fossem boas e saudáveis, mas parece quase uma missão impossível! O que torna a bolachas realmente boas, mesmo mesmo irresistíveis é ela... a manteiga! 


Não é impossível substitui-la, podemos sempre usar uma margarina vegetal, à base de soja, por exemplo, ou um bom óleo de girassol, de milho, de coco (esse ainda não o consegui encontrar).
Foi então, que há dias, andando eu por ai a navegar (não se esqueçam que nós portugueses somos descendentes de grandes navegadores), fui ter ao The Amazing Avocato, onde se podem encontrar centenas de receitas com abacate.
Ai li, algures, que o abacate pode substituir a manteiga, na mesma proporção. Isso interessou-me, mas será mesmo assim?



Ingredientes:


200 g de farinha  de trigo integral;
100 g de flocos de centeio (ou de aveia);
150 g de açúcar mascavado (ou amarelo);
130 g de manteiga de amendoim;
120 g de polpa de abacate;
1 colher de chá de fermento em pó;
1 colher de sopa de sumo de limão;
1 colher de café de flor de sal.


Execução:

No robot juntar a polpa do abacate com a manteiga de amendoim, o sumo de limão e o açúcar, triturar tudo.
Adicionar a farinha, o fermento, a flor de sal e os flocos de centeio, pulsar algumas vezes e voltar a triturar.
Formar uma bola e colocar no frigorífico, durante 30 minutos.
Estender com o rolo e cortar as bolachas.
Levar ao forno, pré-aquecido a 180º, durante 10 minutos.
Arrefecer sobre uma grade e guardar num recipiente hermético.


Estava tão entusiasmada com estas bolachas que me esqueci completamente das minhas tendinites e afins! Foi complicado estender a massa e carimbar, mas a vontade de estrear o meu carimbo novo superou a dor de o usar!

Uma forma de estender a massa com mais facilidade e sem se pegar ao rolo ou à bancada, é usar papel vegetal por baixo e também por cima da massa.


Estas bolachinhas ficaram boas, mas... ainda não estou convencida. Acho que vou continuar a investigar o papel do abacate, eheheh!


Tenho que vos confessar uma coisa... prometo dizer só a verdade... para mim ela é insubstituível!
A manteiga é tão, tão boa, não é justo!

terça-feira, 8 de Abril de 2014

Caril de Quinoa com Espargos e Camarão

Vieram de longe, de muito longe e trouxeram na bagagem uma herança secular.
Chegaram a terra estranha e foram recebidos com desconfiança, nunca por ali se vira  nada assim!
Aos poucos os locais foram percebendo o seu valor e tudo o que poderiam ganhar com a sua riqueza e sabedoria. Deixaram-se conquistar, até porque os forasteiros eram portadores de super poderes!


Li um artigo na Visão Verde que apelida a quinoa como sendo "a semente com super poderes", isto porque tem valores proteicos muito elevados, mas não só, nutricionalmente  é riquíssima, trazendo o seu consumo regular imensas vantagens para a nossa saúde. 
Não vos vou maçar com um logo texto sobre todos os seus nutrientes e composição, mas deixo o link para outro artigo bastante completo sobre o assunto e que eu gostei de conhecer.


Nem sempre é fácil integrar nos nossos hábitos alimentares ingredientes que nos são estranhos.
Já me aconteceu por diversas vezes experimentar, gostar e depois esquecer completamente de voltar a usar determinado produto, estou a lembrar-me, por exemplo, do bulgur.
Hoje trago-voa a minha primeira experiência com a quinoa e devo dizer-vos que gostei bastante.


É muito simples e rápida de cozinhar, optei por fazer de forma semelhante ao arroz.
O seu sabor é suave, por isso pode-se temperar da maneira que mais gostarmos. Fica muito bem misturada em sopas, saladas, feita como se fosse um rissoto... há uma infinidade de maneiras diferentes de a preparar!


Ingredientes:

1 chávena de quinoa;
1+ ½ chávena de caldo de legumes;
1 cebola;
2 dentes de alho;
sementes de cominhos (opcional);
1 colher  de chá de caril;
1 colher de café de açafrão;
1 molho de espargos verdes;
350 g de camarão descascado;
coentros frescos q.b.
piri-piri;
azeite;
sal marinho;
2 colher de sopa de amêndoas;
2 colheres de sopa de miolo de pinhões;
8 tomates cherry;
4 rabanetes.

Produtos de parceiros usados nesta receita: Caril e açafrão Suldouro; sal marinho Marnoto-Necton; coentros Aromáticas Vivas.


Execução:

Cobrir o fundo de uma caçarola com azeite.
Fritar ligeiramente as sementes de cominhos.
Juntar a cebola e os alhos picados e fritar até amolecer.
Adicionar a quinoa o torrar um pouco.
Acrescentar o caldo e cozer durante 15 minutos, em lume muito brando e tapado.
Cortar os espargos em pedaços, rejeitando a parte mais dura  da base. Picar os coentros (folhas e caules), juntar ambos à quinoa e deixar cozer mais alguns minutos.
À parte saltear os camarões com azeite, alho, piri-piri e sal.
Cortar os tomates cherry e as amêndoas ao meio.
Laminar os rabanetes.
Juntar os camarões, os tomates, os rabanetes, as amêndoas e os pinhões à quinoa. Misturar bem todos os ingredientes e servir.


Esta foi a minha 1.ª aventura com a quinoa, mas acho que outras se lhe seguirão!

segunda-feira, 31 de Março de 2014

Bolo de Espinafres com Iogurte e Morangos

Verde erva, verde natureza, verde água, verde beleza!
Verde primavera, verde passarinho, verde regato, verde pinho.
Verde musgo,  verde esmeralda, verde lima, verde malva.
Verdes teus olhos de lago profundo, o verde mais lindo do mundo.


Queria fazer um bolo de espinafres já há algum tempo. Pesquisei, andei por vários blogues e estudei algumas receitas. O Ricardo deu-me umas dicas e depois testei a minha versão. 



Quando me viram a fazer este bolo, houve quem torcesse o nariz e jurasse que não ai prestar!


Foi comido ao lanche acompanhado de um chá fumegante e não deu tempo para fotografar.
Fiquei com imensa vontade de repetir, da 1.ª vez usei uma forma com chaminé, desta vez resolvi enfeita-lo. Verde combina tão bem com primavera, que combina com morangos, framboesas e claro, com flores!


Quis que fosse um bolo menos pecaminoso e por isso resolvi rechear com iogurte grego sem açúcar, claro que podem substituir e usar chantilly ou uma combinação de ambos.


Ingredientes:

Bolo

1 + ½ chávenas de açúcar;
6 ovos;
200 g de folhas de espinafres frescos;
½ chávena de óleo de milho;
½ chávena de leite;
2 chávenas de farinha;
½ chávena de amido de milho;
1 colher de sobremesa de fermento em pó
raspa de 1 limão;
sumo de 1/2 sumo de limão.

Recheio e cobertura

1 kg de iogurte grego natural sem açúcar;
750 g de morangos;
150 g de framboesas;
folhas de menta e flores naturais (usei de pessegueiro e ameixoeira).



Execução:


Forrar uma  forma (ou duas) de fundo amovível com papel vegetal.
Separar as claras das gemas.
Bater as gemas com o açúcar até obter uma gemada fofa e volumosa.
Triturar os espinafres juntamente com o óleo, de maneira a ficar uma pasta liquida.
Incorporar a mistura de espinafres, o leite, a raspa e sumo de limão, na gemada.
Peneirar as farinhas e o fermento, juntar aos poucos, envolvendo na massa sem bater muito.
Bater as claras em castelo, envolver delicadamente.
Verter metade da massa na forma e cozer em forno pré-aquecido a 180.º C, durante aproximadamente 30 minutos. Fazer o teste do palito. 
Repetir o processo com a restante massa (caso tenha 2 formas iguais pode cozer os bolos em simultâneo).
Deixar arrefecer um pouco e desenformar. 
Depois de frio e usando uma faca bem afiada, cortar a camada lateral, "descascando o bolo",  de maneira a que o seu lindo interior verde fiquei visível. Cortar na horizontal, dividindo-o em duas metades.
Montar o bolo em camadas recheando-o com morangos laminados, iogurte e framboesas.
Finalizar a decoração com pequenas flores.


Notas

  • Apenas usei 3 discos de bolo, mas podem-se usar os quatro  sem problemas, sendo necessário para isso aumentar a quantidade dos ingredientes para o recheio. Optei por congelar o disco de bolo que me sobrou e assim tenho uma base para um semifrio pronta a usar.
  • Usei uma forma redonda, mas pode ser feito num tabuleiro e depois cortados os círculos e abertos ao meio, acabando por facilitar, pois assim não há necessidade de "descascar" as laterais como eu fiz.
  • As flores usadas são de árvores que sei não terem sofrido tratamentos com químicos, não as comemos pois são um pouco amargas.


Este bolo é mesmo fácil de fazer, não tem nenhuma complicação.


Espero que a primavera cá venha espreitar e resolva deixar-se por cá ficar!


Um bolo que é sem duvida uma tentação sobre a mesa, mas não é um pecado pelo contrário é bem vitaminado! :)
É também uma sugestão para a mesa da Páscoa, que já não tarda nada a chegar!

sexta-feira, 21 de Março de 2014

Iogurte de Baunilha e Sementes de Chia

Esperar por ti,
Esperar o renascer,
Esperar esquecer,
Esperar acreditar,
Esperar compreender,
Esperar confiar,
Esperar, esperar,
Esperar sarar!


Quem acompanha regularmente o blogue tem estranhado haver tão poucas publicações, várias pessoas (amigos, colegas, leitores) têm  perguntado o que se passa?!!!
Ando com problemas já há vários meses no meu ombro/braço esquerdo, que para mim é o direito! Começou com uma dorzinha de nada e foi gradualmente piorando,  alternando com periodos de algumas melhoras. Deixei andar a ver se passava! Pois, mas não passou e piorou bastante! Entretanto tenho andado entre consultas, fisioterapia e exames. Esta semana chegou o veredicto da ressonância que me deixou bastante apreensiva! Terei ainda que esperar por uma nova consulta de ortopedia e só espero escapar disto sem necessidade de uma cirurgia!!!
A cozinha tem estado da cor da minha alma e o desanimo ganha terreno... tudo me provoca dor, como se isso não bastasse tive que suspender as minhas aulas de dança, que tanta alegria me traziam.


Espero por dias melhores! 
Enquanto espero ela chegou e embora o sol hoje não brilhe a primavera está
em cada flor que desabrocha, nas tenras folhas que despontam, sim ela está ai e quis traze-la um pouco para aqui.
E as coisas mais fresquinhas voltam a apetecer, um iogurte caseiro, cheio de sabor e saúde vem mesmo a calhar.


Embora ande bastante arredada da cozinha e até um pouco desmotivada, continuo a aprender e descobrir coisas novas. Procurava alimentos com propriedades anti-inflamatórias, é o caso das sementes de chia. Já as tinha comprado há algum tempo, mas estavam um pouco esquecidas.
Não é que esta pequena semente é um verdadeiro gigante nutricional?

"Extremamente rica em fibras, antioxidantes, proteínas, vitaminas e minerais, sendo a fonte vegetal mais rica em ácidos gordos ómega-3 que se tenha conhecimento até à data. Contém mais ómega-3 que o salmão ou as sementes de linho; mais antioxidantes que os mirtilos, mais fibras que os flocos integrais e mais cálcio do que o leite gordo.
A sua riqueza em ómega 3, entre outros, aumenta a resistência contra doenças e confere propriedades anti-inflamatórias. O óleo de chia é rico em antioxidantes naturais, impedindo a oxidação das gorduras, razão pela qual os ácidos gordos ómega-3 administrados através da chia são extremamente estáveis e podem ser conservados durante muito tempo, contrastando com o que se passa com a maior parte das outras fontes de ómega-3. "(
vejam artigo integral no site do Celeiro).


São também ricas em cálcio, muito nutritivas e fáceis de usar. Em contacto com líquidos desenvolvem um gel pectinoso o que as torna muito interessantes para usar em sobremesas, batidos, refrescos. Podem ser moídas e adicionadas a pães e biscoitos, consumidas simples ou junto com cereais, saladas... 


Iogurte de Baunilha e Sementes de Chia

Ingredientes:

1 litro de leite pasteurizado;
60 ml de açúcar mascavado;
60 ml de leite em pó;
2 vagens de baunilha ou 1 colher de chá de essência de baunilha;
1 iogurte natural;
30 ml de sementes de chia.


Execução:

Abrir as vagens de baunilha e raspar bem todo o interior, colocar no leite juntamente com a vagem. Levar ao lume para levantar fervura. Deixar arrefecer até estar morno. Retirar as vagens e coar.
Juntar o leite em pó,  o açúcar e o iogurte natural e mexer bem.
Adicionar as sementes de chia.
Dividir pelos copos e deixar na iogurteira durante 12 horas.
Levar ao frigorífico 8 a 10 horas.


O resultado final deste iogurte é simplesmente espantoso!
Uma consistência fantástica, conferida também pelo gel das sementes e um crocante muito agradável.
A baunilha dá-lhe o sabor e o açúcar mascavado um pouco de cor, mas se forem gulosos terão que aumentar  a quantidade pois não ficaram muito doces.


É sem duvida para repetir muitas vezes a adição das sementes de chia aos iogurtes, com este ou outro sabor. Um ingrediente que não voltará a ficar esquecido!


Enquanto me delicio que este cremoso e aveludado iogurte fico à espera...
à espera de voltar a sentir-me bem!

quarta-feira, 5 de Março de 2014

Bolo de Bolacha Oreo

Pintei um quadro!
Não era colorido, apenas a preto e branco se desenhou.
Porém o seu brilho era tal que os meus olhos alegrou!
Então lembrei-me que o branco é ausência de cor e o preto a união de todas elas. O preto é como a vida tem todas as cores,  um dia podem ser cores de alegria e no outro as da melancolia, da desilusão, e depois, como por magia, enrola-mo-nos num turbilhão e ficamos enredados nas cores do amor e da paixão!
Gosto de todas as cores, cada uma por si ou juntas numa só, mas hoje, hoje as cores do meu fascínio são como pólos opostos que envolvi num abraço apertado, num doce desígnio. 


Fui desafiada pela Mondalez a participar numa "Sweet Battle", o passatempo que a Oreo lançou  na sua página de Facebook, e como incentivo tiveram a gentileza de me enviar um pequeno cabaz destas deliciosas bolachas.

A bolacha mais famosa do mundo desafia os participantes a criarem uma receita original com as bolachas Oreo e a partilharem uma fotografia e a receita na aplicação do passatempo, na página do facebook da Oreo
As dez receitas mais votadas recebem um delicioso Kit Oreo e o grande vencedor, escolhido por um júri, ganha ainda uma Bimby. 
O passatempo estará a decorrer até dia 10 de Abril.
Hoje apresento-vos o meu "Bolo de Bolacha Oreo".



Um bolo sem forno, que deve ser comido bem fresco, excelente para qualquer ocasião e muito fácil de preparar. Acho que quem gosta de Oreos tem mesmo que experimentar.



Bolo de Bolacha Oreo

Ingredientes:

4 embalagens de bolachas Oreo Original;
400 g de iogurte grego natural;
400 ml de natas;
200 g de chocolate branco;
8 folhas de gelatina;
200 ml de leite frio.

Decoração:

1 pacote de natas;
1 colher de sobremesa de sumo de limão;
2 colheres de sopa de açúcar em pó;
1 pacote de bolachas Oreo Original;
2 saquetas de bolachas Mini Oreo.


Execução:

Colocar um aro sem fundo sobre o prato de servir .
Partir o chocolate branco em pedaços pequenos e derreter com 2 colheres de sopa de leite.
Demolhar as folhas de gelatina, escorrer e juntar ao chocolate derretido. Mexer até que se dissolvam completamente.
Bater as natas até ficarem bem espessas. 
Envolver o iogurte nas natas e juntar  a mistura de chocolate e gelatina sem parar de bater para que não ganhe gromos.
Molhar em leite frio algumas bolachas Oreo, sem deixar embeber demasiado, e cobrir o fundo do prato.
Cobrir com o creme. 
Repetir o processo mais 2 vezes e forma a obter 3 camadas de bolacha intercalada com o creme.
Finalmente cobrir com creme e levar ao frio durante no mínimo 4 horas.
Passar uma faca ao redor do aro para ajudar a despegar o bolo e desenformar.

Decoração:

Partir bolachas Oreo em pequenos pedaços e dispor na lateral do bolo.
Bater as natas com o sumo de limão e o açúcar, obtendo um chantilly espesso.
Com uma seringa de pasteleiro formar picos ao redor do bolo.
Colocar sobre os picos,  de forma alternada Mini Oreos.
Ao centro formar uma "torre" de chantilly e Mini Oreos.
Finalizar com migalhas de Oreo.






Adorei fazer este bolinho, na verdade adoro um desafio e teria participado apenas pelo divertimento de tentar fazer algo diferente.



Que vos posso eu dizer sobre este bolo que as imagens não digam já?
É tudo aquilo que parece e mais! Muito, muito bom.



Apenas passam à 2.ª fase as 10 sobremesas mais votadas. Se quiserem dar-me o vosso apoio podem entrar na página da Oreo no Facebook   e fazer "Gosto", depois entram na "Galeria" e deixam o vosso voto.
Obrigada :)

quinta-feira, 27 de Fevereiro de 2014

Pão de Mistura com Azeitonas e Bacon

Deixo a porta aberta para que possas entrar.
Entras pelo olhos, pela boca, pelo nariz,
Entras pelas orelhas, entras-me na pele.
Quando não estás, entras na memoria e de lá não sais.
Entraste no meu coração e na minha vida.
Entra em mim e deixa-te ficar.


Já há algum tempo que não entrava aqui um pãozinho!
Continuo a fazer pão em casa mas tenho repetido receitas, outras vezes a ânsia de o comer supera a vontade de o fotografar! 
O seu aroma entra com sofreguidão pelas narinas e ai permanece espicaçando o desejo... a sua visão atiça a vontade, o som do roçar da faca que o transforma em fatias gera a ânsia, então desejamos ardentemente que ele entre na boca!


Pão de Mistura com  Azeitonas e Bacon


Ingredientes:

200 g de farinha de trigo T 65;
100 g de farinha de trigo integral:
140 g de farinha de espelta;
100 g de farinha de centeio;
300 ml de água morna;
4 g de fermento de padeiro seco;
100 g  azeitonas pretas em rodelas;
azeitonas descaroçadas para decorar q.b.
100 g de tiras bacon.


 Execução:

Na cuba da MDF colocar a água tépida e o sal.
Peneirar a farinha de trigo, de centeio e de espelta, misturar com a farinha de trigo integral, inserir na cuba e por cima deitar o fermento.
Selecionar o programa "MASSA".
Ao sinal sonoro introduzir as azeitonas em rodelas e metade do bacon.
Findo o programa retirar a massa da cuba da máquina e dobrar algumas vezes dando-lhe a forma pretendida.
Decorar com as azeitonas descaroçadas  e o restante bacon.
Deixar levedar durante cerca de 30 minutos. Pode precisar de um pouco mais de tempo, dependendo da temperatura ambiente. Colocar dentro do forno tépido(40º) ajuda a levedar mais depressa.
Dar uns corte à superfície e levar ao forno, pré-aquecido a 200º.
Deitar um pouco de água no fundo do forno e cozer durante cerca de 35 a 40 minutos.
Deixar arrefecer sobre uma grade.


A farinha de centeio  e a espelta encontram-se à venda em lojas de produtos dietéticos ou biológicos. O centeio também se consegue arranjar em algumas padarias.
Este pãozinho saiu mesmo bom!
Soube tão bem acompanhado de um queijo regional e um vinho tinto maduro.