quinta-feira, 16 de Outubro de 2014

Argola de Pão Recehado com Presunto, Mozarela e Ervas Aromáticas - World Bread Day 2014

Passas em galope veloz, nunca olhas para trás... ou talvez olhes, mas sem te deteres! És um cavalo louco, em constante corrida, não esperas por ninguém, não páras por nenhum motivo!
Mesmo quando te peço que abrandes, que vás um pouco mais devagar, fingues não perceber e segues, segues nesse teu ritmo feroz e fazes-me correr também! Corro porque não te quero perder, embora sinta que és como os grãos de areia que teimam em escapar da palma da minha mão!


Cá estou eu novamente a celebrar o "Dia Mundial do Pão", que também é o "Dia Mundial da Alimentação". 
O tempo é mesmo um cavalo de corrida que galopa incessantemente! Parece-me foi há dias atrás que fiz os  Caracois de Pão Integral com Chouriço e Tomate Cherry,  para celebrar este dia, mas já lá vai 1 ano!


Um pão bem fácil de fazer, sem complicações, de miolo macio, côdea crocante e com um cheirinho... quem me dera pudessem sentir o cheirinho dele! 
Quanto ao recheio... ele é generoso e muito, muito saboroso! As ervas aromáticas dão-lhe um toque especial.


Argola de Pão Recheado com Presunto, Mozarela e Ervas Aromáticas

Ingredientes:

Massa do pão

350 g de farinha de trigo T 65;
200 g de farinha de trigo integral;
300 ml de leite;
2 ovos M;
2 colheres de sopa de creme vegetal;
1 colher de sopa de açúcar mascavado;
1 pacote de fermento de padeiro seco (4g);
1,5 colheres de chá de sal.

Recheio

300 g de presunto fatiado;
2 bolas de queijo de bufala;
rodelas de azeitonas pretas e verdes;
folhas de salvia e de tomilho q.b. *

sementes de sésamo brancas e pretas para colocar por cima da argola.

*podem-se substituir por outras ervas a gosto como por exemplo oregãos, alecrim, salsa, coentros...



Execução para a MDF:

Amornar o leite mais ou menos a 30.º C, misturar o creme vegetal derretido, juntar os ovos e bater ligeiramente. Verter na cuba da máquina.
Peneirar a farinha de trigo e misturar com a farinha de trigo integral, o açúcar, o sal. Adicionar aos restantes ingredientes.
Juntar o fermento.
Selecionar o programa para massa (na minha máquina é o n.º 6).
Findo o programa retirar a massa do pão e estender sobre uma superfície na qual se espalhou um pouco de azeite (para evitar que se pegue), formando um estrangulo como o da imagem.
Dispor os ingredientes do recheio sobre a massa e enrolar como se fosse uma torta. Unir os extremos formando uma argola, sobrepor um pouco e presionar os bordos da massa para unirem bem.
Com um pincel molhar um pouco a superfície do pão e salpicar com as sementes de sésamo.
Deixar levedar cerca de 1 hora, num ambiente aquecido.
Com uma faca afiada dar 4 golpes na superfície do pão.
Pré-aquecer o forno a 240.º C.
No fundo do forno colocar um tabuleiro com água a ferver.
Cozer durante 20 minutos e depois baixar a temperatura para 200.º C, cozer mais 20 minutos.
Caso comece a ficar demasiado tostado cobrir com um pouco de papel vegetal.
Deixar arrefecer sobre uma grelha.


Método tradicional:

Peneirar a farinha de trigo.
Numa tigela misturar ambas as farinhas e o açúcar.
Abrir uma cova ao centro, colocar sobre a farinha, de um lado o fermento e do outro o sal.  
Adicionar o leite tépido e o creme vegetal derretido.
Gradualmente envolver a farinha, no liquido até que esteja toda incorporada. 
Sobre uma bancada levemente engordurada (com um pouco de azeite), amassar bem, cerca de 10 a 15 minutos, até que obter uma massa elástica e macia, que possibilita formar uma bola e descola da bancada. 
Colocar de volta na tigela, cobrir com um pano e deixar levedar num sitio aquecido entre 1 a 2  horas (com tempo frio pode demorar mais, mas pode-se amornar ligeiramente o forno e colocar lá dentro para ajudar). Decorrido este tempo a massa levedou e cresceu bastante (no minimo para o dobro do volume ou mais).
Voltar a amassar, retirando todo o ar.
A partir daqui proceder como na descrição anterior.


À mão ou na máquina, fazer pão em casa tem algo de mágico! Não sei explicar mas poucas coisas me dão tanta satisfação na cozinha como cortar um pão, feito por mim, ainda morno, cheio de promessas saborosas no seu interior!
Depois leva-lo para a mesa a apreciar as expressões de quem está à volta. 
Não são precisas palavras!


Ainda chega para vocês, fiz assim grande para poderem levar uma fatia.

terça-feira, 14 de Outubro de 2014

Polenta com Ovos e Chouriço

Estou cheia de vontade, apetece-me mesmo!
Quero já, não posso esperar.
Quero aqui e agora, sem demora.
Tenho urgência e preciso que seja um momento intenso...
Não quero lentinho, quero mesmo rapidinho,
Rapidinho mas com muito gostinho!


Todos precisamos de algumas receitas que sejam bem rápidas de confecionar, mas que nos deixem satisfeitos e saciados. Foi assim com esta polenta, ela é em si uma refeição completa, feita sem demoras e comida bem devagar!


A polenta entrou cá em casa há relativamente pouco tempo! Andava muito curiosa, mas só me decidi a experimentar quando encontrei a semola de milho adequada, pois não me apeteceu estar a mexer uma papa de milho borbulhante (durante bastante tempo) e sujeitando-me aos seus salpicos escaldantes! 
Quem não viu pode espreitar a Polente de Alheira e Coentros, foi a 1.ª que fiz e gostei imenso.
A semola de milho (instantânea) que utilizei nesta receita veio de longe, da Suiça, pela mão de uma conterrânea que lá se encontra emigrada e me fez uma surpresa durante as suas férias de verão, oferecendo-me 2 embalagens de polenta, com texturas e tempos de cozedura diferentes (uma mais grossa coze em 4 minutos e a outra, mais fina, que coze em 2 minutos). Muito obrigada Carla Vilarinho pelo carinho, esta receita é-te dedicada e espero que fiques com vontade de a reproduzir, vale a pena.
Cá em Portugal também já é possível encontrar deste tipo de semola de milho para preparação de polenta,  vi-a no Continente, embora muito cara, acabei por comprar numa loja de produtos biológicos (no Porto), com excelente qualidade e muito melhor preço.


Polenta com Chouriço e Ovos

Ingredientes:

1 + 1/2 chávenas de farinha para polenta (instantânea);
1/2 chouriço de peru "Quinta dos Fumeiros";
1 cebola roxa;
100 g de tomates cherry;
50 g de queijo parmesão;
salsa q.b.
5 ovos;
azeite;
pimenta preta (moida na hora);
sal marinho "Marnoto"q.b.
flor de sal "Marnoto" q.b


Execução:

Preparar a polenta segundo as instruções do fabricante.
Adicionar a salsa picada, o queijo ralado e os temperos a gosto.
Numa frigideira com um pouco de azeite fritar o chouriço.
Laminar a cebola e juntar ao chouriço, salteando-a até amaciar.
Juntar os tomates cherry.
Envolver o conteúdo da frigideira com a polenta já cozida.
Verter tudo na frigideira que se usou anteriormente (não lavar a frigideira e se necessário juntar um pouco mais de azeite).
Usando as costas de uma colher, fazer pequenas concavidades na polenta e deitar em cada uma 1 ovo. Salpicar com flor de sal.
Levar ao lume, temperatura média, para tostar por baixo, sem deixar queimar (como se fosse uma omolete).
Finalizar dentro do forno até que os ovos estarem cozinhados.


Servi esta polenta num almoço, acompanhada de uma boa salada e não foi preciso mais nada!
Já fiz outra, depois desta, com mistura de 2 tipos de queijo, ficou mais macia e cremosa... uma delicia!
As variações possíveis são imensas é só usar a imaginação. Pode-se servir como acompanhamento, entrada ou neste caso, como prato principal.

sexta-feira, 3 de Outubro de 2014

Cogumelos Recheados com Barriga Fumada e Legumes Grelhados

Não posso passar sem ela!
Ela é tão especial, compreende-me tão bem, sabe ler os meus desejos.
Onde eu vou ela vai comigo, somos insepaváveis!
Por isso separar-me dela é um tormento.
Não me abandones, por favor, volta depressa para mim!!



A minha máquina fotografica avariou! Estas foram as últimas fotos que tirei antes dela "pifar". Ainda bem que não avariou na minha mão...
Que grande chatice! 
Agora sei lá quanto tempo irei estar sem ela, vai para o Porto, depois vão dar o orçamento e só então fazem a reparação. Oxalá tenha reparação e que o problema não seja da objetiva... até tremo só de pensar quanto ela custou!


Recebi da Quinta dos Fumeiros uma maravilhosa barriga fumada, a que habitualmente chamamos de bacon. É um produto de qualidade superior, artesanal, feito sem pressas e seguindo os passos de outros tempos, curado no sal e no fumeiro, por isso é delicioso. 
Decidi usa-la para rechear uns cogumelos Portobelo bem grandes. Juntei-lhe uns graciosos e coloridos mini pimentos e mais umas coisinhas... vamos lá à receita:


Cogumelos Recheados com Barriga Fumada e Legumes Grelhados

Ingredientes:

4 cogumelos Portubelo grandes;
barriga fumada "Quinta dos Fumeiros";
6 pimetinhos tricolores;
4 pontas de espargos;
queijo parmesão;
mostarda dijon;
azeite;
folhinhas de tomilho;
flores de hortelã (opcional).



Execução:

Cortar os pés dos cogumelos e grelhalos de ambos os lados.
Saltear com um pouco de azeite pedacinhos de barriga fumada.
Grelhar os pimentos e as pontinhas de espargo.
Com um descascador  cortar algumas lascas de queijo parmesão.
Misturar em partes iguias mostarda e azeite. juntar folhas de tomilho.
Dispor sobre os cogumelos todos os ingredeintes como se vê na foto.
Terminar com um pouco do molho de mostarda.




Uma entrada colorida, saborosa, muito facil de preparar e que vai brilhar na vossa mesa.

Mesmo sem máquina fotográfica vou continuar por cá, tenho várias receitas fotografadas ainda sem editar, vou mexer no fundo do baú e ver o que há por lá.

terça-feira, 30 de Setembro de 2014

Palitos de Choco Panados

Se desanimo o que posso fazer?
Se me falta inspiração, onde recorrer?
Se já nem sei o que vos heide dizer...
O que vou eu  escrever?



Nem sempre tenho inspiração ou vontade de cozinhar, não sei se vos acontece o mesmo , mas estou numa fase em que a vontade de entrar na cozinha anda arredia, tão arredia que até parece que tudo me sai mal! Nestes momentos pegar nas minhas revistas de culinária, quase todas da Teleculinária, ajuda-me a ganhar animo e motivação para experimentar algo novo. Não é tão compensador, não me dá a mesma alegria que quando sinto que é algo meu, mas ajuda-me a não parar, a seguir em frente.


Os fritos cá em casa são muito raros, sempre que posso opto por outras formas de confeção dos alimentos, mas ocasionalmente lá abro uma excessão, foi o caso destes palitos de choco, pois quando os vi na Teleculinária n.º 1832 não lhes resisti!
Usei tiras de choco congeladas, daquelas grandonas. Já tinha tentado cozinha-las mas como muito mau resultado, pareciam borracha!
Desta vez ficaram deliciosas, tenras e suculentas. Juntei à receita a semola de milho que tornou o exterior mais crocante.


Ingredientes:

800 g de palitos de choco congelados;

3 dentes de alho;
sumo de limão q.b.
piripiri q.b.
sal;
farinha de trigo e semola de milho para envolver.



Execução:

Descongelar as tiras de choco e cortar em pedaços.
Temperar com o sumo de limão, piripiri, alho esmagado e sal. Envolver e deixar marinar algum tempo (minimo 20 minutos).
Misturar a farinha e a sêmola de milho. Passar as tiras de choco e fritar até ficaram dourados e crocantes.
Escorrer sobre papel absorvente.
Servir com arroz de tomate.




Espero que tenham paciência e se mantenham por ai, eu uma vez por outra estarei aqui.

sexta-feira, 12 de Setembro de 2014

Tarteletes de Queijo e Tomate

O menino da mamã,
O herói do papá,
O pequenino da irmã,
O  queridinho da avó,
O tesouro do avô,
O fofinho da madrinha,
Um amor de tomatinho!


Este ano voltei a plantar tomates cereja, num pequeno canteiro do quintal.
Tive 3 variedades, mas os que mais produziram deram frutos tão pequeninos, que em vez lhes chamar tomates cereja, chamei-lhe tomates ervilha! 


São uns tomatinhos tão bonitinhos, cheio de sabor, um encanto!


Tarteletes de Queijo e Tomate

Ingredientes (3 unidades):

300 g de tomates cereja;
1 embalagem de massa quebrada;
200 g de queijo creme (usei Philadelfia light);
1 ovo;
pimenta preta;
alho granulado q.b.
oregãos q.b.
flor de sal q.b.
3 ramos de tomilho fresco.

Produtos de parceiros usados nesta receita: especiarias Suldouro - Navires; flor de sal Marnoto by Necton; tomilho fresco Aromáticas Vivas.


Execução:

Bata metade do queijo creme com o ovo, os oregãos e uma pitada de pimenta preta, moída na hora.
Corte círculos de massa e forre as formas.
Disponha sobre a massa o creme de queijo, não enchendo totalmente, e enterre tomates cereja.
Leve ao forno, pré-aquecido a 180.º C, até dourarem.
Deixe arrefecer.
Misture no restante queijo creme um pouco de pimenta, alho granulado, folhinhas de tomilho fresco e flor de sal.
Coloque um pouco do creme sobre cada tartelete, cubra com tomates cereja e folhas de tomilho.


Muito simples de fazer, cheias de sabor, saudáveis,  ficam tão lindas na mesa!


Se gostam de tomate vão adorar estas pequenas tartes.

segunda-feira, 1 de Setembro de 2014

Tarte de Limão e Coco

Trás no bolso promessas quentes e luminosas,
Faz os dias mais pequenos e gosta de mudar a cor da paisagem!
Trás também a lágrima da separação no quanto do olho, 
Os risos felizes do reencontro, a expectativa do recomeço.
Trás tantos regressos e a despedida das andorinhas.
Eu cá dou-lhe a mão com sentimentos antagónicos...
Se por um lado gosto muito dele, por outro detesto-o!
Ele ri-se de mim, sacode a cabeleira farta e sussurra baixinho:
- Sou um casmurro, sou fim de estio, uva docinha, figo maduro!
Eu respondo com convicção e sorriso trocista:
- Se és meu amigo, Setembro, deixa ficar o verão cor de limão!



Aqui pelo norte de Portugal, setembro começou com um sol radioso e quente. Finalmente chegou o verão! Chegou também o momento do regresso ao trabalho, acabaram-se as férias. Fica a nostalgia do fim das manhãs longas e preguiçosas na cama, dos almoços sem hora marcada e das tardes passadas na praia, que este ano foram poucas o tempo fartou-se de fazer caretas.


Porém o verão continua e se esteve tristonho quase todo o Agosto, Setembro chegou cheio de força, alegre e caloroso! Recebi-o com esta tarte de limão e coco, inspirada numa receita da revista Teleculinária n.º 1845. Fiz algumas alterações à receita original, diminui bastante a quantidade de açúcar, juntei mais coco, raspa de limão e licor de limão da Chocolicor. Mudeia a base de massa quebrada para a folhada.


Tarte de Limão e Coco

Ingredientes:

1 rolo de massa folhada;
250 g de açúcar;
40 g de manteiga amolecida;
5 ovos;
2 iogurtes naturais;
1 limão (raspa e sumo);
4 colheres de sopa de coco ralado;
2 colheres de sopa de licor de limão "Chocolicor".


Execução:

Colocar a massa folhada numa tarteira, tapar com o papel vegetal que a envolve e cobrir o fundo com feijão (para que não perca a forma). Levar ao forno, pré-aquecido a 180ºC, durante 15 minutos.
Bater o açúcar com a manteiga.
Adicionar os ovos um de cada vez, batendo bem.
Juntar o coco ralado, o sumo e raspa do limão, o licor e os iogurtes e misturar bem todos os ingredientes.
Verter o preparado na forma e levar ao forno a 180ºC, cerca de 25 minutos. 
Quando a massa folhada começar a dourar tapar com papel vegetal para evitar que queime.
Decorar com rodelas de limão.



Todos gostamos desta tarte e ficou o desejo de comer mais... é como o verão, nunca queremos que acabe!

sexta-feira, 29 de Agosto de 2014

Pão de Trigo com Fermento Caseiro e Salpicão

Da próxima vez, sim porque haverá uma próxima vez e outra e mais outra! Muitas serão as vezes, por isso, um dia, não sei qual, não sei quando... um dia chegarei ao teu coração.



Pão de Trigo com Fermento Caseiro e Salpicão

Ingredientes:

 250 g de massa-mãe;
 375 de farinha de trigo;
 125 g de farinha de trigo integral;
 300 ml de água;
 1 colher de chá de sal;
2 g de fermento seco de padeiro;
azeite para amassar (bancada e mãos);
1 salpicão tradicional "Quinta dos Fumeiros".



Execução:

Desfazer o fermento seco com um pouco de água morna.
Misturar as farinhas.
Juntar às farinhas o fermento, a massa-mãe e metade da água.
Mexer e verificar a consistência, juntar mais água aos poucos até obter uma mistura pegajosa. (pode não precisar de toda a água, ou precisar de mais um pouco, depende da consistência da massa-mãe e das farinhas usadas).
Deixar repousar 10 minutos.
Deitar azeite sobre a bancada e passar um pouco na mãos. Amassar até obter uma massa muito suave e elástica.
Deixar levedar até dobrar de volume (4 a 6 horas).
Espalhar farinha na bancada, voltar a amassar um pouco, abrir formando um retângulo e colocar as rodelas do salpicão. Enrolar como se fosse uma torta, ou moldar na forma desejada.
Colocar sobre um tabuleiro enfarinhado (ou dentro de uma forma). Espalhar um pouco de farinha pela superfície do pão.
Levedar novamente até crescer no mínimo 50% (1 hora ou mais).
Antes de o colocar no forno pode-se dar alguns golpes para ajudar a crescer, neste não fiz isso porque já estava todo rachadinho.
Colocar um tabuleiro com água quente no fundo do forno.
Levar o pão forno, bem quente a 230º, durante 15 minutos e depois reduzir a temperatura para 200º C.
Cozer mais 25 minutos.
Deixar arrefecer sobre uma grade (se conseguir).




Se calhar não devia ter mexido tanto na massa para lhe colocar o chouriço...
Onde estão aqueles "olhos" grandes?
A côdea estava estaladiça, maravilhosa e o sabor também... falta o resto, falta o aspeto, a miga desejada!



Agora estou "cultivar" um isco só com centeio.